Nova ZelândiaTragédias

Escalando o vulcão Rangitoto na chuva

posted by Angie Maio 22, 2013 0 comments

O sábado amanheceu super lindo, prometendo sol, suor e câncer de pele em Auckland.

Comi uma banana rapidão e corri pro ponto de ônibus,  pois se bobeasse perderia não somente o busão, como também o ferry boat (como diria o pessoal de Mallet no Paraná: féri bôte). Consegui desconto de estudante com o primeiro motorista, mas já não obtive sucesso com o segundo e tive que pagar o valor insatisfatório de 3.40 $NZD. (Em breve em post próximo à você: o sistema urbano piadista de Auckland! 😀 )  O tempo foi piorando conforme chegávamos perto de Devonport, o local de embarque. Vish, engrupição total do tempo.

Dois dos meus amigos já tinham comprado o ticket e acabei comprando também, porque né, sacanagem com eles, tadinhos.

Nosso destino: o vulcão Rangitoto. Uma ilha vulcânica situada no golfo de Auckland, inativo há 550 anos, com altura de 260 metros e forma característica, sendo reconhecido por qualquer um com olhos não míopes. Segundo a lenda, Rangitoto quer dizer Céu Sangrento em Maori (a língua dos nativos) e foi nesta ilha que um capitão importante perdeu uma batalha e morreu. Enfim, somente a título de curiosidade.

Clique aqui e assine nosso canal no YouTube

SONY DSC
Silhueta identifícavel até por cães adestrados auxiliares de cegos. Foto: Chris Gregory

 ahhh se eu soubesse que iria escalar o vulcão Rangitoto na chuva…

Escalando o vulcão Rangitoto na chuva
No feri bote.
No ferry somos avisados que deveríamos ter comida e água suficiente para o tempo que pretendíamos ficar. Ou seja, ficamos sem almoço e lanche da tarde. FUUUU Sorte que levei água e um sanduíche ma ruim, ruim … só de mastigar um pedaço ficava satisfeita por não estar comendo sapato.

Chegamos na ilha e seguimos o fluxo de pessoas. Aos poucos, elas sumiam da vista, só a trilha pela frente e algumas plaquinhas indicando a direção para o topo do vulcão Rangitoto. O engraçado é que o destino, direção e tempo para atingir o destino estão escritos nelas, porém sempre acrescente 10 minutos a mais pra não ficar na expectativa e decepcionado com a própria lerdeza.

Escalando-o-vulcão-Rangitoto-na-chuva
 Cratera do vulcão Rangitoto

Demoramos mais de uma hora pra chegar no topo, ficamos lá por 5 minutos, tempo suficiente pra tirar uma foto juntos e apreciar a vista antes de chover.

make up chuva
ahhhh minha maquiagem!!!!

Thor resolveu passar o sábado nas terras kiwis, curtir um hidromel com os maoris e o resultado: nos abrigamos num BUNKER!! Ja, Gott sei Dank! Um bunker da Segunda Guerra Mundial, cheio de goteiras e aberturas pra passar água, vento e frio. E chovia muito, gente, vocês não tem ideia!!!
Escalando-o-vulcão-Rangitoto-na-chuva-2
Vista linda antes da chuva maligna.

Escalando-o-vulcão-Rangitoto-na-chuva-praia (2)
Desafortunados lindos.
Escalando-o-vulcão-Rangitoto-na-chuva--bunker
Bunker decadente no topo do vulcão Rangitoto

Depois de meia hora (ou mais) resolvemos sair e descer até as cavernas de lava! wow! O nome prometia. Podíamos ter tropeçado e quebrado todos os dentes até chegar na maldita caverna, pois tudo estava muito liso, sem falar que não tinha nem como enxergar dentro, só havia trevas! As lanternas dos celulares vieram bem a calhar nesse momento, obrigado por fabrica-las Nokia!!

Desistimos dessa vida vulcânica, deixamos o vulcão Rangitoto para trás e voltamos ao ponto inicial em fantásticos 30 minutos!!!! Bem a tempo de pegar o ferry do meio dia. Mais uns três minutos de atraso e aí sim que minha alma ficaria encharcada.

Para a minha infelicidade, descobri que havia água dentro da minha mochila e meus gadgets ficaram molhados! Né, porque afinal, quem que não leva um ipad pra subir um vulcão hein? Coisa mais normal. Sorte que ele estava bem protegidinho e não aconteceu nada, funcionando lindamente. Minha câmera e lanterna/ celular também estavam são e salvos, só uma secadinha aqui outra ali. Já não foi o caso do meu ipod, minha relíquia de 2006, com um giga do mais puro metal alemão e finlandês .

Escalando-o-vulcão-Rangitoto-na-chuva-rip-ipod
Tantas alegrias e tristezas passei a seu lado meu nobre companheiro, amigo de todas as horas. Obrigada pelas músicas que você tocou repetitivamente sem reclamar e aguentar ate o ultimo suspiro de bateria. Não te esquecerei, espero que o japonês da lujinha te ressuscite com mais gigas de memória (pimp my ipod) e traga melodias ao meus ouvidos mais uma vez.

Leia mais posts menos trágicos mas não menos dramáticos sobre Auckland!

Viaje com a Angie

Faça sua reserva através dos serviços parceiros do blog!Assim você nos ajuda a criar conteúdo cada vez melhor pois ganhamos uma pequena comissão, VOCÊ NÃO PAGA MAIS POR ISSO e continua acessando o blog grátis! Obrigada!

Receba dicas exclusivas no seu email!Receba dicas exclusivas no seu email
Assine nossa newsletter e fique por dentro das nossas viagens, descontos incríveis e os melhores lugares para visitar e curtir a vida!

Curtiu? Comentaí!

%d blogueiros gostam disto: